Jornalistas sabem diferenciar notícias e opinião, mas os leitores geralmente não

*por Kevin Lerner

O editor de opinião do New York Times, James Bennet, renunciou recentemente depois que o jornal publicou 1 controverso artigo de opinião do senador Tom Cotton, que defendia o uso da força militar para reprimir protestos. O texto provocou indignação entre o público e também entre os repórteres do jornal. Muitos desses funcionários participaram de uma campanha nas redes sociais voltada para a chefia do jornal, solicitando correções e uma nota do editor explicando o que havia de errado com o artigo. Eventualmente, a revolta forçou a saída de Bennet.

A coluna de Cotton foi publicada nas páginas de opinião –não nas páginas de notícias. Mas essa é uma distinção muitas vezes incompreendida pelo público, cujas críticas à decisão de publicar a matéria eram muitas vezes direcionadas ao jornal como 1 todo, incluindo sua cobertura noticiosa. Tudo isso levanta uma questão de longa data: qual é a diferença entre o lado da notícia e a opinião de uma organização de notícias?

É 1 princípio do jornalismo norte-americano que os repórteres que trabalham para as seções de notícias dos jornais permaneçam totalmente independentes das seções de opinião. Mas a divisão entre notícias e opiniões não é tão clara para muitos leitores quanto os jornalistas acreditam que é.

COMO NOTÍCIAS E OPINIÕES SE SEPARARAM

Muito antes de os jornais se tornarem organizações para coletar e distribuir notícias, eram instrumentos para a expressão pessoal de indivíduos –seus proprietários. Pouco se pensava sobre se a opinião e o fato estavam ou não misturados.

Benjamin Franklin dirigiu a Gazeta da Pensilvânia de 1729 a 1748 como 1 veículo para suas próprias ideias políticas e científicas, ou mesmo apenas para suas observações do dia a dia. O Diário dos Estados Unidos, publicado pela 1ª vez em 1789, foi o jornal federalista mais proeminente de sua época e foi financiado em parte por Alexander Hamilton, cujas cartas e ensaios foram publicados anonimamente. No início do século 19, os jornais eram frequentemente partidários, uma vez que muitos deles eram financiados por partidos políticos.

Ao longo do século 19, porém, os jornais começaram a buscar uma audiência mais popular. À medida que a circulação aumentava, alguns começaram a enfatizar sua independência. Juntamente com o surgimento de faculdades de jornalismo e organizações de imprensa, essa independência consagrou “fato” e “verdade”, como o que a especialista Barbie Zelizer chama de “termos divinos” do jornalismo no início do século 20.

Os proprietários de jornais nunca quiseram desistir de sua influência na opinião pública. Como as notícias se tornaram o principal produto do jornal, os editores estabeleceram textos editoriais, onde poderiam continuar apoiando seus políticos favoritos ou pressionando por causas de animais de estimação. Essas páginas são tipicamente dirigidas por conselhos editoriais, que são equipes de escritores, geralmente com áreas de especialização (economia ou política externa ou, em jornais menores, política estadual). Eles são então votados pelo conselho, que geralmente inclui o editor. Estes tipos de texto são publicados, geralmente sem atribuição de autor, como as opiniões oficiais do jornal. Existem variações nesse processo: geralmente o conselho editorial decide sobre os tópicos e a opinião do artigo antes que esses escritores trabalhem em seus rascunhos.

Bennet, editor do Times que renunciou, reconheceu em uma matéria de janeiro de 2020, meses antes do artigo sobre Cotton, que “o papel do conselho editorial pode ser confuso, principalmente para os leitores que não conhecem bem o The Times”.

Durante quase todo o século 20, os jornais tranquilizaram seus leitores e repórteres de que havia 1 “muro” entre os lados de notícias e opiniões de suas ações. Os editores confiavam nessa ideia de separação para insistir que suas reportagens eram justas e independentes, e acreditavam que os leitores entendiam essa separação.

Esta é uma maneira particularmente norte-americana de operar. Os leitores de outros países geralmente esperam que seus jornais tenham 1 ponto de vista, representando 1 partido ou ideologia em particular.

A CRIAÇÃO DA PÁGINA DE OPINIÃO

Uma maneira que os jornais descobriram para permitir uma gama maior de opiniões em suas páginas foi criar uma página de opinião, que publica opiniões de indivíduos, não as do conselho editorial. Como relata o historiador Michael Socolow, John Oakes, editor da página editorial do New York Times em 1970, criou a 1ª página de opinião porque sentia que “1 jornal cumpre com maior eficácia suas responsabilidades sociais e cívicas desafiando a autoridade, agindo de forma independente, e convocando à discordância”.

OPINIÕES ON-LINE, MUDANÇA DE NORMAS E LINHAS BORRADAS

Com a expansão das páginas de opinião on-line, o Times publicava 120 artigos por semana na época da renúncia de James Bennet.

Embora a mudança on-line permita que a página do Times aumente bastante sua produção, também cria 1 problema: os textos de opinião não parecem mais claramente diferentes das notícias.

Com muitos leitores acessando jornais on-line a partir de links de mídia social, eles podem não prestar atenção às pistas sutis que marcam 1 texto publicado pela equipe de opinião. Acrescente a isso o fato de que mesmo os leitores que acessam a página inicial de 1 jornal recebem notícias e opiniões exibidas graficamente no mesmo nível, conotando o mesmo nível de importância. E os repórteres compartilham análises e opiniões no Twitter, confundindo ainda mais os leitores.

As seções de notícias do jornal também publicam cada vez mais reportagens que contêm 1 nível de “análise de notícias” que leitores casuais podem não conseguir distinguir do que o Times designa como opinião.

Em 1970, quando a página do editorial estreou no New York Times, a circulação total diária de jornais era equivalente a 98% das residências nos EUA. Em 2010, esse número havia caído para menos de 40% e continuou caindo desde então.

Mesmo que os leitores do impresso em 1970 pudessem diferenciar claramente notícias e opiniões, eles provavelmente não teriam o mesmo nível de envolvimento crítico numa época  como a atual em que as notícias estão disponíveis on-line e em volume quase incontrolável.

Se organizações de notícias como o New York Times continuarem afirmando que uma seção de opinião robusta, separada de suas reportagens, serve para promover a conversa pública, essas instituições precisarão fazer 1 trabalho melhor para explicar aos consumidores de notícias onde –ou se– o “muro” entre notícias e opinião existe.

__

*Kevin Lerner é professor assistente de jornalismo no Marist College. Este artigo foi publicado anteriormente no The Conversation sob uma licença Creative Commons.